Bairros Sustentáveis para Cidades mais Desenvolvidas Ambiental, Social e Economicamente

postado em: Matérias | 0

Nos últimos anos o avanço das construções sustentáveis tem sido exponencialmente grandioso, uma evolução que vem ocorrendo ano após ano com a contribuição da certificação ambiental LEED (Leadership in Energy and Environmental Design). Como todo processo de evolução tende a criar novos caminhos, avançar, desenvolver novos modelos de trabalho, a construção sustentável também se enquadrou nisto.

Não só nos edifícios, comerciais e residenciais, casas térreas, centros logísticos, hospitais, varejo, também há uma demanda pela reformulação e enquadramento de bairros inteiros aos processos e características sustentáveis determinadas pela certificação LEED, concedida pela maior organização de construção sustentável do mundo, o Green Building Council. No Brasil já são oito projetos de bairros certificados ou em desenvolvimento. Atualmente existem quase 150 projetos em todo o mundo.

 

Veja as vantagens da Certificação LEED através do Estudo:

Estudo GeoImóvel

 

Um dos maiores benefícios em trazer a sustentabilidade de forma global para os bairros é a promoção de um ambiente agradável, saudável, ecologicamente correto, bem como a integração das pessoas através da relação com o entorno. Além disso, contribui para crescimento planejado e inteligente, revitalização urbana e aumento dos prédios verdes. Os bairros com características de sustentabilidade também possuem um enorme potencial de desenvolvimento social através da interação com a comunidade e geração de empregos e renda.

 

Parque da Cidade – São Paulo – SP

Um dos exemplos mais recentes é a construção do Parque da Cidade, localizado em São Paulo. A implementação das estratégias sustentáveis garantiram ao projeto, em dezembro de 2014, a certificação LEED nível Silver na categoria ND (Neighborhood Development – estagio 2) especifica para bairro. Além disso, o projeto possui certificação em outras categorias: Torre Corporativa C1 – Pré-certificado (LEED); Torre Office C2 – Certificado fase concepção (AQUA); Corporativas B1, B2, e B3- Pré-certificadas (LEED); Corporativa A2- Pré-certificado (LEED); Residencial – Certificado fase programa (AQUA); Hotel – Pré-certificado (LEED).

O projeto, que faz parte da revitalização de uma área degradada, possui um grande potencial de se transformar em um novo centro empresarial de São Paulo. O Parque da Cidade está inserido na Operação Urbana Água Espraiada, que estabelece uma série de obras estruturais para adequar a infraestrutura local ao adensamento da região. “A expectativa e que o empreendimento seja indutor de um novo modelo de urbanização para a cidade”, afirma Saulo Nunes, diretor de Incorporação do Parque da Cidade. O empreendimento foi desenvolvido em total harmonia com os planos de revitalização da região definidos pelo município de São Paulo. Duas preocupações balizaram o processo de criação do projeto: a sustentabilidade e a orientação das torres. “Foi uma solução que atendeu aos anseios da cidade e também maximizou o resultado financeiro do empreendimento”, complementa.

Com aproximadamente 62.000 m2 de área totalmente aberta ao público, 22.000 m2 de área verde, o projeto promove maior interação entre os edifícios e seu entorno criando um forte senso comunitário devido à variedade de instalações e serviços (parques, serviços básicos e espaços públicos). Além disso, incentiva o uso de meio de transportes alternativos por meio de carona solidaria e bicicletário, inibindo a utilização de carros. “Ele convida a população e prima pela acessibilidade de forma ampla, o que destoa do modelo imobiliário que prevalece na cidade. Ao mesmo tempo, a ideia de ter como eixo do empreendimento um parque de 22 mil m2 e aproximadamente 62 mil m2 de área aberta ao público vem para atender a uma demanda da comunidade do entorno, suprindo uma forte carência de áreas verdes da região”, explica Saulo.

Para ele, o empreendimento demonstra que as cidades podem crescer de maneira ordenada, promovendo a diminuição dos impactos ambientais e o desenvolvimento socioeconômico. Sendo São Paulo uma metrópole que oferece grandes desafios, o Parque da Cidade teve cada detalhe cuidadosamente planejado para melhorar a vida das pessoas, além da promoção do desenvolvimento humano, econômico e cultural.

Estratégias sustentáveis

Entre as estratégias implementadas estão: otimização do uso do solo, redução de CO2, gestão de água, energia e resíduos, que reduzem significativamente os custos de operação do empreendimento. A utilização de fachadas amplas nas torres corporativas garantem maior índice de iluminação natural e redução de calor, o que reduz consideravelmente o custo de energia e refrigeração. As soluções relacionadas aos recursos hídricos asseguram o abastecimento do Parque da Cidade, estimulam o uso racional e eficiente da água potável e promovem o tratamento de efluentes e o manejo de águas pluviais. Juntas, elas poderão reduzir em até 50% o consumo de agua tratada.

Destacam-se ainda o parque linear, definido como eixo central e a disposição e orientação das torres, que potencializam os preceitos de sustentabilidade. Outra estratégia inovadora e o sistema de coleta a vácuo, que possui tubulações com entradas específicas para cada tipo de resíduo. Também serão promovidos o reuso e a reciclagem, incluindo eletrônicos, lâmpadas e baterias, além da possível geração de energia a partir do lixo orgânico e compostagem fora do site, minimizando assim a emissão de gás metano na atmosfera. “A expectativa e que haja uma redução de 50% na destinação de resíduos aos aterros”, afirma.

De acordo com o diretor da Odebrecht, os ganhos que a certificação traz são enormes. A preocupação com a sustentabilidade e o crescimento ordenado da cidade beneficia não apenas a geração atual, mas também as futuras. Saulo ainda ressalta que o Parque da Cidade foi pensado em cada detalhe para a concretização dessas ideias. “A certificação de bairros no Brasil e algo muito importante. Quando você encontra um empreendimento certificado, você sabe que ali há uma preocupação socioambiental. Esperamos que o exemplo do Parque da Cidade venha para abrir portas a outros projetos e que o Brasil, que possui tantos desafios em termos de planejamento urbano, seja referência em termos de sustentabilidade e desenvolvimento ordenado no futuro”, conclui.

 

Vila dos Atletas (Ilha Pura) – Rio de Janeiro – RJ: LEED ND

A Vila dos Atletas, no condomínio Ilha Pura é outro projeto emblemático no desenvolvimento de bairros. O empreendimento, que abrigou os atletas que participaram das Olimpíadas 2016, conquistou a certificação LEED ND em seu último estágio, nível Certified. O bairro conta ainda com o selo AQUA Residencial e Bairros e Loteamentos e o selo Casa Azul. “A obtenção da certificação do projeto deixa para o mercado imobiliário da região um legado”, destaca Mauricio Cruz Lopes, diretor geral do Ilha Pura.

Mauricio destaca ainda que, a equipe do Ilha Pura priorizou a sustentabilidade em todos os seus aspectos, desde a sua concepção, adotando as melhores práticas para redução de consumo de água e energia, e estratégias para otimização dos sistemas e dos processos. Para ele, outro fator benéfico é o porte e a visibilidade internacional do empreendimento, pois contribui para a mobilização de fornecedores em prol da agenda de sustentabilidade. “O pioneirismo na certificação deixa um legado que vai além dos moradores do futuro bairro, estabelecendo um novo patamar para o mercado imobiliário da região”, afirma.

O bairro foi estruturado ao redor de um parque central que promove a permeabilidade entre os lotes. O Parque Ilha Pura é um espaço público de 72 mil m2, com projeto paisagístico assinado pelo Escritório Burle Marx, que conta com amplas áreas verdes, equipamentos de lazer para todas as faixas etárias e mais de 1,5Km de ciclovia e pista de cooper que se integram com todas as demais vias do loteamento. A Ilha Pura conta ainda com aproximadamente 10 mil m2 de telhados verdes, que abrangem todos os seus 31 prédios e a cobertura das instalações do parque, o que ajudará a reduzir a sensação térmica do bairro. Outra iniciativa sustentável, e que também auxiliará na questão de eficiência energética, será o uso de 75 placas solares para aquecimento da água, as quais estarão dispostas nas coberturas de três prédios do bairro. Os demais 28 prédios contam com infraestrutura para futura instalação de coletores solares para aquecimento de água.

Ao longo da obra, os resíduos reaproveitados contabilizaram 204.583 m3, o que corresponde a 85% dos resíduos gerados na construção da Vila dos Atletas, e os que foram enviados a aterros sanitários totalizaram 31.668 m3, refletindo a preocupação da empresa com a redução da emissão de gases de efeito estufa. Já os resíduos orgânicos, destinados a compostagem, registraram a marca de 26.421m3. A criação de uma estação de tratamento de água no bairro permitirá tratar as águas provenientes de processos domésticos, como lavar as mãos e tomar banho, e reaproveita-las em vasos sanitários e também para a irrigação do parque e na reposição da água dos lagos, gerando uma economia de aproximadamente 40% no consumo de água total do bairro.

A eficiência energética também é privilegiada por meio da redução no consumo de energia elétrica, que ocorre desde a otimização dos projetos de iluminação, substituição de lâmpadas comuns por lâmpadas eficientes (LED) nas áreas comuns até execução dos projetos de automação, incluindo sensores de presença, setorização da iluminação das garagens, entre outras. Além disso, o empreendimento possui 159 elevadores com sistema regenerativo, que geram uma economia aproximada de 50% de energia comparada a um elevador comum.

O total de área de vidros e de 120 mil m2 e todos eles são semi-reflexivos, ou seja, bloqueiam a entrada do calor e proporcionam uma redução da incidência de raios solares e, ao mesmo tempo, permitem boa passagem da luz. Nos condomínios também serão instalados 64 totens de carregamento de veículos elétricos e, no parque, dois totens para bicicletas elétricas.

A Ilha Pura aderiu a política de compra de madeira certificada, utilizada nos 146 decks e 71 pergolados dos condomínios, e nos sete assoalhos para as passarelas do Parque. Outras ações sustentáveis da Ilha Pura são representadas pela presença de dois ecopontos (pontos de entrega voluntaria de resíduos, para atendimento ao bairro) no Parque e lixeiras que possibilitam a coleta seletiva.

 

Reserva Camará – Camaragibe – PE

Um dos projetos em desenvolvimento com grande potencial sustentável é o Reserva Camará, localizado em Camaragibe, região metropolitana de Recife. O empreendimento, que busca a Certificação de bairros do LEED, possui estratégias e ações de sustentabilidade do mais alto nível. Além do LEED ND, o Reserva Camará está em busca de outras categorias da certificação para as diversas tipologias que compõem o empreendimento, como por exemplo, o LEED EBOM, C&S, e NC, aliados ao selo PROCEL Edifica nível A.

O Reserva do Camará conta com um terreno de 256 mil m2, sendo 440 mil m2 de área construída e área de projeção de 91 mil m2. O projeto prevê a construção de shopping, museu, escolas, edifícios comerciais, residenciais, universidade e toda uma estrutura de serviços básicos para os usuários que irá proporcionar acesso ao lazer, cultura, entre outros, com finalidade de reduzir a distância do deslocamento das pessoas em suas atividades cotidianas. O espaço contara também com 79 mil m2 de área verde, ciclovias, espaços destinados as atividades físicas ao ar livre proporcionando qualidade de vida e bem-estar dos usuários.

A relação entre Reserva Camará e seu entorno vai muito além dos benefícios ambientais. Uma das mais importantes ações incorporadas ao projeto e a criação do Projeto Florescer que, em parceria com o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), qualifica mão de obra da comunidade local para ocupação de postos de trabalho dentro do empreendimento, tanto na fase de construção, quanto na operação. “Este trabalho de desenvolvimento social com a população é muito importante. Além de gerar emprego e renda favorecendo o crescimento econômico da região, é uma maneira de mostrar para o poder público que com planejamento e compromisso é possível garantir segurança, manutenção, espaço de lazer, gestão de recursos naturais, consegue chegar a um padrão de primeiro mundo”, afirma Felipe Coelho, Gestor de Sustentabilidade do Reserva Camará.

Estratégias de destaque

Uma das ações de destaque no desenvolvimento deste empreendimento é a preocupação de ações relacionadas às mudanças climáticas. Através de um estudo de controle de CO2, desenvolvido pelo Reserva Camará, que monitora a quantidade de CO2 que deixou de ser emitida durante a obra que mostra, em tempo real, os dados relacionados a economia financeira, quantidade de caminhões que deixaram de circular nas vias, bem como a quantidade de combustível que deixou de ser consumido. “A metodologia utilizada no estudo tem seu grande diferencial, pois especifica algo concreto e não uma previsão. Trata-se de um trabalho bem detalhado que é possível conferir o que foi reduzido hoje”, afirma Felipe Coelho. O estudo também inclui coleta e destinação de resíduos sólidos, aquisição de novos materiais, entre outros fatores.

 

 

Matéria retirada da 9ª edição da Revista GBC Brasil.

Deixe uma resposta