O Brasil passa por uma crise econômica e política sem precedentes

postado em: Matérias | 0

Todos os dias, no mínimo desde 2015, escutamos alguma notícia sobre a crise econômica brasileira. De fato o Brasil passa por uma crise econômica e política sem precedentes e em meio a este cenário, um dos setores que mais sofrem é o da construção civil. A crise traz diversos impactos como a diminuição dos lançamentos, as taxas de vacância cada vez mais altas, as demissões em massa e a retração do setor. Somado a esses problemas, seguem-se uma série de escândalos de grandes empreiteiras associadas à Lava Jato e suas consequências como uma cascata inevitavelmente atingem os diversos fornecedores e prestadores de serviços ligados à essas grandes empresas.

 

Esse cenário traz um certo desanimo a primeira vista. Mas o fato é que são nesses momentos que devemos nos agarrar a novas oportunidades e nos capacitar para estarmos preparados para quando a turbulência passar!  Essa fala otimista soa até um pouco clichê, mas levantei algumas informações bastante relevantes que vão fazer você pensar duas vezes antes de falar que sua atividade foi impactada pela crise.

 

Começo com uma provocação; Você já ouviu falar em empregos verdes?

 

De acordo com a Organização Mundial do Trabalho “Os empregos verdes são empregos formais que contribuem para preservar ou restaurar o meio ambiente, reduzindo impactos ambientais, ajudando a proteger a biodiversidade e os ecossistemas, reduzindo o consumo de energia, a emissão de CO2 e evitando formas de desperdício e poluição em direção à sustentabilidade. Podem produzir bens ou fornecer serviços, sejam eles em setores tradicionais, como a indústria e a construção, ou em novos setores emergentes, como energia renovável e eficiência energética, mas que sempre beneficiem o meio ambiente, como por exemplo os edifícios verdes ou transportes limpos.”

Vamos então à uma pincelada de números e informações que chamam a atenção, sobre os empregos verdes no Brasil:

  • Dados do setor solar estimam que para cada megawatt solar instalado sejam criados entre 20 e 30 postos de trabalho (diretos e indiretos). Sendo assim, calcula-se que algo entre 60 mil e 99 mil novas oportunidades de emprego deverão ser criadas com o desenvolvimento do mercado de energia solar brasileiro até 2018.
  • De acordo com a Associação Brasileira de Energia Eólica – Abeeólica, o emprego em energia eólica no Brasil vai gerar 45 mil novas vagas, até 2019.
  • Segundo a revista EXAME, o setor de “materiais de construção sustentáveis” esta listado dentre as 8 áreas promissoras para se abrir um negócio no futuro

 

Já no setor de construção civil, embora venha sofrendo significativamente com os impactos da crise, a demanda por sustentabilidade e consequentemente a dos empregos verdes não param de crescer.  De acordo com a pesquisa “World Green Building Trends 2016” da Dodge Data & Analytics, o setor de construção sustentável global continua a dobrar a cada três anos, e irá alcançar a marca de 60% dos novos projetos sustentáveis até 2018.

Na ultima conferência do clima em Marrakesh – COP21, o World Green Buiding Council (WGBC) firmou um compromisso para reduzir 84 gigatons de emissões de CO2 nas edificações até 2050. Oito Green Building Councils já firmaram compromisso para participar deste projeto, incluindo o  Brasil, e dentre os objetivos do projeto esta a capacitação de 75.000 profissionais sobre a construção net zero até 2030, e 300.000 até 2050.

 

Já no Brasil, de acordo com a pesquisa “Tendências na Construção Civil Brasileira 2015”, em 2009, as obras sustentáveis no Brasil representavam 1% de todo m2 útil de construção, em 2014, atingiu o patamar de 7,3%, representando uma evolução de 780% ao longo desses anos.

 

O ano de 2016 foi o que mais acusou registros de empreendimentos buscando a certificação LEED. Além disso novos projetos de leis, leis, resoluções, normativas e políticas publica, surgem a cada dia no Brasil propondo benefícios e isenções fiscais para as construções sustentáveis, as energias renováveis e a reciclagem. Para atender à essas novas leias e demandas, são necessários cada vez mais profissionais capacitados. Mas aonde estão e quem são esses profissionais?

 

Pouco se fala mas até 2030, todos os edifícios (públicos, comerciais, de serviços e residenciais) deverão possuir a etiqueta de eficiência energética do Procel, além de já ser obrigatória para novas construções e reformas de edificações públicas federais, através da Instrução Normativa 02/2014 do Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão.

 

Uma pesquisa publicada pelo Conselho Brasileiro de Construção Sustentável intitulada “Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas 2014” mostrou que há um grande desconhecimento no mercado a respeito dos benefícios da construção sustentável, além de ter apontado a falta de profissionais capacitados e a baixa oferta de treinamentos para esses profissionais.

 

Hoje já são mais de 1.200 empreendimentos buscando a Certificação LEED no Brasil, o que coloca o pais na colocação de n°4 no ranking de países com maior quantidade de construções sustentáveis. Ainda que esse numero seja extremamente significativo, o Brasil conta hoje com somente 375 profissionais certificados (LEED GA e LEED AP), ou seja; são mais de 3 projetos para cada profissional. De acordo com o censo do Conselho de Arquitetura e Urbanismo – CAU, em 2012 eram cerca de 95 mil arquitetos com registros ativos no Brasil, sem contar os engenheiros civis e todos os outros profissionais que atuam ou podem atuar nas construções sustentáveis. A conclusão dessa análise é simples: tem muitos profissionais atuando no mercado de construção civil, mas pouquíssimos preparados para a demanda inevitável da construção sustentável.

 

Ninguém precisa ser um expert em economia para saber que as crises são cíclicas, é só olharmos para a historia do Brasil nos últimos 50 anos; foram pelo menos 4! E após as crises, os mercados voltam a se fortalecer e a economia girar. Ou seja, cedo ou tarde (esperemos que mais cedo do que tarde) isso irá acontecer, e a roda vai voltar a girar a todo o vapor! Mas com uma diferença sem sobra de dúvidas; cobrando de forma muito mais pesada a inclusão de ações sustentáveis!

Portanto uma coisa é certa; são nas crises que surgem as grandes ideias e as oportunidades, são nesses momentos que devemos olhar para nossas carreiras, identificando aonde e como podemos melhorar, e definindo ações para driblarmos o mau desempenho econômico e obtermos sucesso!

 

Cursos de aperfeiçoamento, sejam de curta ou longa duração são ótimos para momentos como esses. O profissional que visa ter um emprego verde e estar preparado para as novas demandas, que já batem à nossa porta, deve conhecer e saber por em prática a sustentabilidade. Neste sentido as acreditações profissionais, como o LEED GA, LEED AP, Profissional GBC Casa, entre outras vêm para contribuir com esta necessidade e a incentivar que a régua de qualidade e capacitação do mercado esteja sempre atualizada e evoluindo constantemente.

 

Minha sugestão? Corre e vai se atualizar, nunca é tarde para estudar e informação nunca é demais! E o mercado? Ahh, ele vai melhorar, esteja preparado!

 

Texto escrito por:

 

Arquiteta Luiza Junqueira, Sócia da StraubJunqueira, empresa membro do GBC Brasil e professora do curso “Como se Tornar um LEED GA”  oferecido pelo GBC Brasil.

 

 

Fonte: EcoD

Deixe uma resposta